sexta-feira, 30 de abril de 2010

Disseram






Disseram que a gente não pode se iludir, nem esperar muito dos outros, que paixões são fugazes, que temos que nos acostumar com as dores e que o tempo é o melhor remédio para os males da alma. Falaram que viajar só nas férias, que devemos ter um carro e passar a vida pagando as prestações, além de um apartamento, claro, pois a cidade anda muito perigosa. Inventaram um tal de celular para sermos rastreados do céu ao inferno, ele toca e você pode até não atender, mas o nome está ali, gravado e é de bom tom retornar. Falando nisso, disseram também que quem liga no dia seguinte é Ele e você, na condição de mulher, deve roer as unhas e comer os dedos esperando o telefone tocar. Colocaram-lhe na condição de proletário e isso significa que você deve trabalhar oito horas por dia, duas para almoçar e o resto para se recuperar porque amanhã tudo recomeça. Alguns, os inconformados, se entorpecem nesse espaço de tempo, tragando as angústias numa mesa de bar; outros, os resignados, vão para a igreja e agradecem por tudo, mas há também os que dormem, os que cantam, os que viram travesti, os que assistem ao futebol, os que jogam videogame, os que traem e os que amam. Instituíram o famoso casamento, mas não basta casar, tem que fazer festa com docinho, bolinho e padrinho, e depois ter filhos, de preferência um casal. Sim, e a sua prima que escolheu não casar? Pois é, ela ficou para titia e aquele tio que largou tudo e foi viver de música? É um louco, um sonhador. E os sonhos, então? Sonhar só quando você fecha os olhos e deixa que o inconsciente tome conta do pedaço, numa terra de ninguém, onde não existe loucura nem lucidez, pecado nem perdão. Só não esqueça de programar o despertador, afinal uma hora você vai ter que acordar e cair na real. Eu ainda mato quem inventou essa tal realidade.


Na voz de Gal:

“Eu quero botar fogo nesse apartamento, você não acredita...”
Você não entende nada. Caetano Veloso.

6 comentários:

  1. sábio proust já dizia, "se sonhar um pouco é perigoso, a solução não é sonhar menos é sonhar mais".

    vamos juntar nossas forças, matar essa realidade afogada em alguma dessas esquinas e depois nos perdermos por aí.

    ResponderExcluir
  2. Uau, que texto maravilhoso! Metade de mim é sua prima titia e a outra é o seu tio músico. Cat, essa gente não sabe de nada, nada, nada do que eu digo. Carpe diem, baby!

    ResponderExcluir
  3. É interessante você sair e ver a vida de fora, assim como você tá fazendo. Nem todos são capazes disso, pois estão muito ocupados. O mundo em que vivemos parece querer ocupar-nos com esses pequenos detalhes: casar, ter filhos, ter um carro e um apartamento (e pagar as parcelas até perder de vista) e todos cobram essas coisas de você.
    Você já leu "On the road" (Pé na estrada, na tradução brasileira) de Jack Kerouak? Uma boa dica para corações inquietos. Na verdade, talvez seja a gota de água que falta para transbordarmos.

    ResponderExcluir
  4. "On the road",apelidado por alguns de "a bíblia hippie". Não, nunca li, mas tenho vontade. Esse texto, na verdade foi inspirado em outros escritos: os de Foucault em "a ordem do discurso" , numa tentativa de resistência às tarefas que nos dão e às certezas que nós temos e como você bem disse: todos estão tão ocupados e apressados, afinal o despertador está sempre para tocar.

    ResponderExcluir
  5. Por isso "eu me sento, eu como, eu fumo, eu não aguento". Adorei o texto, Tyara!

    ResponderExcluir