terça-feira, 23 de novembro de 2010

Banguela

.
.
Vestido listrado, sapato vermelho, cabelo amarelo e dois olhos de jabuticaba fitando os meus. Sozinha e emancipada, ela pula entre os corredores, arrastando seu carrinho de compras pra lá e pra cá. “Meu carro é vermelho, não uso espelho pra me pentear”. Nesse embalo, chega à sessão de frios e dá uma rabeada, vira o nariz empinado, olha pra mim de soslaio e segue indiferente pelo corredor de frutas.
Parada, com a boca aberta e o olhar hipnotizado, eu fico entre o doce e o amargo de ver cada vez mais longe esse pequeno retrato de mim.

.
.

4 comentários:

  1. ty!
    há tanto tempo não vinha. há tanto não escrevo.
    eu cansei de escrever minhas mágoas, comprei uma aquarela e um bloco. quero é carnaval.

    encontra comigo no corredor dos vinhos. a gente senta no chão e chama essa menina pra tomar uma e gargalhar com a gente.

    ResponderExcluir
  2. Linda!! Que vontade imensa de te dar um abraço, juntar os copos, os pratos e falar dessa fome que nunca passa.

    ResponderExcluir
  3. Parece descrever uma típica campineira...
    Nem todas tem a beleza de ser Shantelly e, nas sutis atividades, revelar o direito de ser feliz, entre o doce e o amargo, com seu carro vermelho, mas na falta dele, ter um Vale do Parahyba pra pegar o próximo busão com destino à felicidade.

    ResponderExcluir
  4. Fiquei aqui, freudiando nas entrelinhas, viajando pelos corredores do seu Dedé. Próxima vez que passar pela prateleira de abacaxis, apalpe com carinho... Afinal, o chocolate amargo é para paladares refinados, como o seu...

    ResponderExcluir